sexta-feira, 22 de maio de 2009

Jogos Cooperativos - 4ª série surdos e ouvintes







Os Jogos Cooperativos têm por objetivo despertar a consciência de cooperação entre os alunos de forma lúdica, dinâmica, promovendo e desafiando limites pessoais, também para nos libertar da competição, pois, o objetivo maior é a participação de todos por uma meta comum aumentando a confiança dentro do grupo.








Fernanda/Hadriana

Aulas de Xadrez na base diversificada, Professora Helenita




Xadrez


Apesar da pouca idade, a criança entra em contato com o xadrez de uma forma lúdica, não competitiva, esta inserida em nossa grade curricular Escola Pública Integrada (EPI), é trabalhada desde alfabetização, conteúdos programáticos até valores, além do jogo e si. Nossas crianças possuem 2 aulas semanais na qual aprendem regras, recriam jogadas individuais , e avançam na aprendizagem onde adquirem um conhecimento através de questionamentos, raciocínio lógico entre outros.
Professora: Helenita

Homenagem da EEF São Cristóvão para as mães

MÃE
A que palavra recorrer para falar do mais puro de todos os amores?
Inspirado em vocês, preparamos estes vídeos em sua homenagem.
Hadriana - Fernanda
Tivemos a participação de toda equipe gestora e professores.
Nossos sinceros agradecimentos.
Para Sempre
Por que Deus permite que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite, é tempo sem hora, luz que não apaga quando sopra o vento e chuva desaba, veludo escondido na pele enrugada, água pura,
ar puro, puro pensamento.
Morrer acontece com o que é breve e passa sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça, é eternidade.Por que Deus se lembra- mistério profundo -de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo, baixava uma lei: Mãe não morre nunca, mãe ficará sempre junto de seu filho e ele, velho embora, será pequenino feito grão de milho.

Carlos Drummond de Andrade

Homenagem dos alunos da 7ª e 8ª série

video

1ª série

video

1ª, 2ª e 3ª série Surdos

video

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Inclusão escolar: Sonho ou Realidade

Inclusão escolar: Sonho ou Realidade
Uma escola pode ser considerada inclusiva, quando não faz distinção entre seres humanos, não seleciona ou diferencia com base em julgamentos de valores como “perfeitos e não perfeitos”, “normais e anormais”.
Proporciona uma educação voltada para todos, de forma que qualquer aluno que dela faça parte, independente deste ser ou não portador de necessidades especiais, tenha condição de conhecer, aprender, viver e ser, num ambiente livre de preconceitos que estimule suas potencialidades e a formação de uma consciência crítica.
Inclusão não pode significar adequação ou normatização, tendo em vista um encaixar de alunos numa maioria considerada “privilegiada”, mas uma conduta que possibilitasse o “fazer parte”, um conviver que respeitasse as diferenças.
Ela só poderá acontecer realmente quando aquele que tem a função de plantar, ou seja, o professor e toda a equipe que faz parte do funcionamento da escola, desde a direção até o servente, mudarem sua atitude em relação ao lidar com a diferença, aceitando-a, estabelecendo novas formas de relação, de afetividade, de escuta e de compreensão, suspendendo juízos de valores que abarcam pena, repulsa e descrença.
Somos seres em relação e só crescemos em relação. Assim sendo, o equilíbrio para nós reside, antes de tudo, em permitir que o aluno portador de necessidades especiais possa interagir com os demais e vice-versa, e que ambos aprendam a lidar com as diferenças, não para anulá-las, mas para poder usá-las como fonte de contato verdadeiro e de amadurecimento mútuo.
(Elizabeth Salgado)

Inclusão Social

Inclusão Social
Hoje nosso trabalho é voltado para a educação de todos, sem qualquer distinção, atendendo alunos de toda região da AMREC, com suas mais diversas diferenças (surdos, cegos, síndrome de Down, cadeirantes, baixa visão) fazendo-se necessário conhecer o desenvolvimento humano e suas relações com o processo ensino aprendizagem, levando-se em conta como se dá esse processo para cada aluno.
A escola procura utilizar novas tecnologias, capacitar a comunidade escolar e juntamente com a 21ª GERED capacitar os profissionais envolvidos no processo de inclusão com vistas a melhoria do processo ensino aprendizagem. Utilizar currículos e metodologias flexíveis, levando em conta a singularidade de cada aluno, respeitando seus interesses, suas idéias e desafios para novas situações. Avaliar de forma continuada e permanente, oportunizando a criatividade, a cooperação e a participação.

Rodisléia H.Araújo / Ivana B. Bolsoni
Serviço de Orientação Educacional

SEGUNDO PROFESSOR DA TURMA/ Papel do Intérprete de Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS)


Papel do Intérprete de Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS)

Os intérpretes devem ter fluência na Língua Brasileira de Sinais( LIBRAS), assim ter também boa fluência em Língua Portuguesa. A atuação dos intérpretes deve estar centrada no atendimento a todas as pessoas surdas que necessitam romper os bloqueios de comunicação com o objetivo de integrar surdos e ouvintes, facilitando a comunicação entre ambos. Freqüentemente, os intérpretes são solicitados para intermediar a comunicação de surdos e ouvintes em encontros, reuniões, cursos, palestras, debates, entrevistas, consultas, audiências, visitas, etc., além de participarem do processo de integração escolar do aluno surdo.
A presença do intérprete de LIBRAS x Português e vice-versa, em sala de aula, tem aspectos favoráveis que precisam ser observados.
Aspectos favoráveis:
· o aluno surdo aprende de modo mais fácil o conteúdo de cada disciplina;
· o aluno surdo sente-se mais seguro e tem mais chances de compreender e ser compreendido;
· o processo de ensino-aprendizagem fica menos exaustivo e mais produtivo para o professor e alunos;
· a LIBRAS passa a ser mais divulgada e utilizada de maneira mais adequada;
· o aluno surdo tem melhores condições de desenvolver-se, favorecendo inclusive seu aprendizado da Língua Portuguesa (falada e/ou escrita).
Nancy / Selma
Professores Interprétes
SEGUNDO PROFESSOR DA TURMA
Nas séries iniciais do Ensino Fundamental, o segundo professor tem por função correger a classe em parceria com o professor titular. Deve acompanhar o processo de ensino aprendizagem de todos os educandos.
Professora Regente: Maria Janete
2º Professor: Hilda


SAEDE / DV

SAEDE / DV
Espaço no qual o professor especializado trabalha com materiais específicos (reglete, sorobã); materiais com textura, relevo, sons e cores.
Atividades voltadas para o desenvolvimento global e eficiência visual.
O SAEDE/DV (Serviço de Atendimento Especializado para Deficiente Visual), preocupa-se com a área acadêmico-social e laboral trabalhando:
· Intervenção precoce;
· Desenvolvimento global, acadêmico, orientação e mobilidade;
· Habilidades da vida diária;
Proporcionar autonomia e independência na locomoção e autoconfiança em sua integração social e na interação com o ambiente; a orientação e mobilidade são sem dúvida essencial, pois a dependência da pessoa deficiente visual pode levá-la a um estado de isolamento e descrédito.
JOANILDA SOUZA/ DELMA R. LACOMBI
Professoras sala SAEDE/DV












SAEDE / DV

SALA DE 1ª A 4ª SÉRIES (SURDOS)

SALA DE 1ª A 4ª SÉRIES (SURDOS)

Trabalhamos com uma proposta educacional bilíngüe onde a língua de sinais é considerada como primeira língua (L1) e mais importante e a segunda língua (L2) a língua oral e escrita.
A educação Bilíngüe visa garantir uma melhor possibilidade de acesso á educação, buscando criar condições para o desenvolvimento mais humano e pleno de indivíduo surdo.
Professoras: Anivaldi e Mary





SAEDE / DA

SAEDE / DA
O Serviço de Atendimento Educacional Especializado na Área da Deficiência Auditiva – SAEDE-DA tem por finalidade promover a comunicação e a educação da pessoa surda e do deficiente auditivo, contribuindo para a eliminação das barreiras de comunicação entre surdos e ouvintes favorecendo a permanência destes alunos no sistema regular de ensino.
O professor que atua no SAEDE/DA é bilíngüe (Língua Portuguesa/LIBRAS). Este profissional trabalha promovendo a comunicação e a aprendizagem da LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) e da Língua Portuguesa escrita. Cria recursos pedagógicos para melhorar o entendimento dos conteúdos trabalhados em sala de aula do ensino regular.
Auxilia no desenvolvimento de pesquisas, trabalhos e atividades nas quais apresentam dificuldades;
Orienta os professores do ensino regular nas avaliações dos alunos surdos;
Participa dos conselhos de classe;
Os alunos surdos de 5ª à 8ª série, são atendidos em contra - turno do ensino regular;
Também freqüentam o SAEDE/DA alunos surdos do ensino médio, oriundos de outras unidades escolares da região de Criciúma.
Maria Teresa
Professor:Eduardo


Professora: Maria Teresa



terça-feira, 5 de maio de 2009

SAEDE INFANTIL/DA

EDUCAÇÃO INFANTIL/SURDOS

Professora: Mary

Tem como objetivo as trocas sociais, a formação de conceitos e a aprendizagem das LIBRAS, a partir de experiências visuais e lúdicas. LIBRAS como qualquer outra língua, precisa ser vivenciada pela criança surda desde pequena, preferencialmente desde bebê, para garantir seu desenvolvimento lingüístico, cognitivo e social. Todas as segundas-feiras são oferecidas curso de LIBRAS aos pais dos alunos da Educação Infantil para que haja comunicação entre eles.